Roy Lichtenstein

O que exatamente torna Roy tão diferente, tão atraente?

Vida e obra do pintor norte-americano que valorizou os clichês das histórias em quadrinho como forma de arte

* Artigo escrito em colaboração com a jornalista Paula Manzo

A importância de Max Horkheimer e Theodor Adorno, famosos filósofos e sociólogos alemães, é de extrema relevância para o Pop Art. Juntos, nos anos 20, cunharam o termo “indústria cultural”, fundamental para um debate que estava por vir: a oposição entre a alta cultura e a baixa cultura. Ambos acreditam que o consumo em excesso era uma forte característica do século XX e consequentemente da “sociedade de massa”, e que ao nomear a cultura, já se estabelecia um rebaixamento de nível.

1960 adentro. A cena artística exige cada vez mais a incorporação de histórias em quadrinhos, da publicidade, das imagens televisivas e do cinema na cultura de massa, cultura pop. Ganha vida a Pop Art, criada na Inglaterra e previamente intitulado de Independent Group (ou Grupo Independente, em tradução livre). A obra “O que exatamente torna os lares de hoje tão diferentes, tão atraentes?” é a primeira do movimento a ganhar notoriedade. A obra é assinada por Richard Hamilton, pintor britânico, que se junta a Eduardo Luigi Paolozzi, Richard Smith e Peter Blake entre os principais expoentes britânicos do movimento.

popart1.jpg

Os artistas se beneficiam inicialmente das mudanças tecnológicas que acontecem ao redor do mundo. O leque de possibilidades e formas de trabalho no Pop-art é infinitamente maior quando comparado a outros movimentos antiquados.

O trilho que colocou os Estados Unidos na linha do trem da Pop-Art foi o deslumbramento que a Inglaterra possuía ao olhar para o país americano. Era pós-guerra na terra da rainha e os ingleses vislumbravam prosperidade econômica baseada no “american way of life”. Com isto, dois nomes surgem com força como percussores do movimento na América: Andy Warhol e Roy Lichtenstein.

popart2.jpg

Responsável por criar diversos mitos e imagens marcantes, Warhol contribuiu com a “glamouralização” de ícones da cultura norte-americana como Marilyn Monroe, Elvis Presley, Liz Taylor e Marlon Brando. Também são de sua autoria embalagens eternizadas e para sempre guardadas em nossa lembrança como referências principais do pop arte, entre elas, os rótulos das garrafas de Coca-cola e os rótulos das latas de sopa Campbell.

Já o também nova-iorquino Lichtenstein contribui para a Pop Art valorizando os clichês das histórias em quadrinhos em forma de arte, inserido dentro de um movimento que buscava criticar a cultura de massa, tornando-a objeto da arte. O consumo em excesso gerava a desvalorização de conteúdo e conseqüente “vazio”, em estruturas que não comportavam qualquer mensagem, além do próprio consumismo desenfreado. Talvez seja esta a maior contribuição deste período: a tentativa de desmistificar o valor do produto, a necessidade de sua existência e seu significado enquanto valor de consumo na cultura pop.

roy1.jpg

Seu interesse pelas histórias em quadrinhos começa com uma pintura do ícone Mickey Mouse, – personagem criado por Walter Disney -, realizado em 1960 para o agrado dos filhos. Seus quadros feitos a óleo e tinta acrílica, em tons fortes, brilhantes, planos, delineados por um traço negro, reproduziam os procedimentos gráficos com fidelidade, ampliando as características dos cartoons.

Técnicas de pontilhismo simulavam pontos reticulados das pequenas histórias, sempre de grande impacto visual, resultando na linguagem uma combinação de arte comercial e abstração. Quadros que reproduzem uma reflexão sobre linguagem e formas artísticas, desvinculados do contexto de uma história, viram símbolos ambíguos do mundo moderno, industrializado.

Mas afinal, tem sentido a arte contemporânea?

Assim como qualquer outra manifestação artística, dependente dos olhos de quem a vê, interpreta e utiliza para si como conceito, não se pode tentar dar sentido a qualquer forma de expressão, mas pode-se, ainda assim, identificar suas origens e objetivos, enquanto existentes, como descrito nas letras anteriores deste.

roy2.jpg

Deste Duchamp, artista que criava pinturas de inspiração impressionista, expressionista e cubista, criador do “readymade” – transporte de elemento da vida cotidiano, a princípio não reconhecido como artístico, para o campo das artes – a expressão passa a incorporar materiais de uso comum às suas esculturas, não as trabalhando artisticamente, mas considerando prontas a serem exibidas como obra de arte.

A simples mudança de um vaso sanitário de posição causa uma interrogação acerca de suas possibilidades enquanto arte e questionamento. O Pop Art revê estes conceitos, mesmo não ligados inerentemente, pois Duchamp explora, ao abandonar a Europa para viver em Nova York, questões da utilização e desconfiança sobre os objetos a serem vistos sobre outro ângulo, também tomando como partida o sentido de quem vê e toma para si as dúvidas artísticas: “Eu mesmo poderia fazer aquilo”, é um pensamento comum.

roy3.jpg

Mas entre o fazer e o que há necessidade de ser mostrado, passam interrogações tanto nos movimentos anteriores, como no Pop Art de Lichtenstein. Algumas décadas depois, a obra do pintor não só continua relevante, mas serve como referência para outros movimentos e artistas – não necessariamente ligados ao Pop Art. Entre os anos de 1997 e 1998, a banda irlandesa U2 fez um tour mundial para promover, na época, seu último trabalho: o álbum “Pop”. O nome do tour em questão era “PopMart”.

12 Responses to “Roy Lichtenstein”


  1. 1 Cecilia March 28, 2008 at 5:00 pm

    Também tô com saudade:/
    Tô vendo quando nesse ano vou passar por aí, mas devo ir com certeza, principalmente se tiver algum show legal.

    :*****
    te amo

  2. 2 fernanda March 30, 2008 at 4:11 pm

    fala Pedro, vc mudou o blog ne? Linkei esse aqui la no TWM. bjao

  3. 3 monica March 30, 2008 at 6:50 pm

    e eu amei seu blog!

    : )

    beijo

  4. 4 das loose March 31, 2008 at 4:32 pm

    e essas cores contrastantes continuam fortes para os dias de hoje. trabalhar com imagens e não “beber” dessa fonte de vez em quando é quase impossível. pelo menos para mim é.

  5. 5 Pri. March 31, 2008 at 8:09 pm

    é que eu “tô ficando atoladinha” sabe?! Mas bem postei só porque você reclamou… =)

  6. 6 Andrea April 4, 2008 at 5:42 pm

    Bacana o texto. Um breve resumo do que foi e virou essa tendência artística do final do séc XIX. Bacana!😀

  7. 7 Ana October 16, 2008 at 2:19 pm

    Pedro, Paula, o termo “indústria cultural” realmente foi cunhado por Adorno e Horkheimer, mas ao contrário do que foi escrito no texto de vocês, ele só vaio a público em 1947, quando foi lançado o livro “A dialética do esclarecimento”. Estima-se que o termo tenha sido elaborado em 1944.

  8. 8 gabrielrenner January 12, 2009 at 10:37 pm

    belo site, boas referencias
    abs

  9. 10 Liliane Ferrari October 19, 2009 at 7:15 pm

    Tava pesquisando e cai aqui! q ótimo post!!! e nessa linha de artistas do início da pop art adoro e te recoemndo ver os ingleses Richard Hamilton e David Hockney. São grandes caras q vetorizavam imagens antes do computador!😉 bj

  10. 11 Luciano Morais July 20, 2010 at 11:25 pm

    Simplesmente, a vanguarda da pop art.

  11. 12 geovana October 27, 2010 at 4:10 pm

    muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuui! bommmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s




Editor


Pedro Beck é jornalista e crítico de TV.


Contato:
pedrobeck@gmail.com

Categorias


%d bloggers like this: